30 de janeiro de 2018
Arquitetura fora da caixa: conheça 4 obras arquitetônicas em Porto Alegre

Quando você pensa em “arquitetura fora da caixa” ou “arquitetura inovadora”, quais cidades brasileiras vêm à sua mente? Se Porto Alegre não for uma das opções, é melhor você rever os seus conceitos.

Embora não seja reconhecida por tal título, Porto Alegre possui uma arquitetura bastante moderna e arrojada, com obras dignas de estudo e inspiração. Conheça 4 projetos incríveis construídos na capital gaúcha!

Fundação Iberê Camargo

Foto: Fernando Guerra

Assinado por Álvaro Siza Vieira, a Fundação Iberê Camargo é um dos projetos mais notáveis de Porto Alegre – sendo o vencedor do troféu Leão de Ouro, na Bienal da Arquitetura de Veneza em 2002.

Sua estrutura em concreto branco brinca com as formas, variando entre simetria e assimetria, curvas e retas; essas variações são a alma da obra. Ao entrar no prédio, você é levado ao último andar pelo elevador e explora toda a edificação descendo por suas rampas através das salas e exposições.

No Iberê, a própria construção é a obra de arte, fazendo jus ao nome que recebe.

Arquiteto: Álvaro Siza Vieira
Arquitetos Coordenadores: Bárbara Rangel e Pedro Polónia
Metragem: 8326.0 m²
Inauguração: 2003
Localização: Avenida Padre Cacique, 2000

Confira o projeto completo no ArchDaily

Piso 1 – Planta

Instituto Ling

Foto: Tiago Trindade

O primeiro projeto de Isay Weinfeld na região sul não poderia ser mais encantador. O prédio de esquina parece, para quem vê de fora, estar flutuando em meio ao jardim. A rampa curvilínea que dá acesso à porta de entrada dá um charme especial à fachada praticamente cega. Enquanto isso, a fachada lateral é transparente, com brises verticais que a tornam mais leve e controlam a iluminação interna.

No espaço interno, as galerias recebem acabamentos neutros e possuem aberturas para o exterior, sendo diferenciadas de acordo com o uso determinado e com a incidência de luz pretendida. Já os ambientes de apoio estão acomodados em nichos abertos e possuem paredes com painéis de madeira.

O pavimento inferior é bastante iluminado e claro, graças à sua fachada envidraçada e acabamentos em branco.

Arquiteto: Isay Weinfeld
Arquitetos Colaboradores: Domingos Pascali e Marcelo Alvarenga
Metragem: 3291.0 m²
Inauguração: 2014
Localização: R. João Caetano, 440

Confira o projeto completo no ArchDaily

Piso Térreo – Planta

Aeromóvel

Foto: Marcelo Donadussi

Ligando a estação Aeroporto da Trensurb ao Terminal 1 do Aeroporto Internacional Salgado Filho está a primeira linha tecnológica de Aeromóvel em operação comercial no país. O projeto desenvolvido pela Ospa foi uma evolução do design original da via de Jacarta, na Indonésia, com o desafio de otimizar estrutura e manutenção na construção de uma via elevada unindo duas estações.

Segundo o desenvolvedor do projeto: “a forma da via é o resultado do acolhimento da aleta que é empurrada pela corrente de ar produzida pelos Grupos Moto-Propulsores posicionados junto às estações, acarretando em uma grande viga caixão. Sua forma externa se dá também pela preocupação com o acúmulo de detritos ao longo da sua vida útil”.

A via de 1 km de comprimento é construída em concreto armado pré-moldado com verniz anti-pixação em seu acabamento. A simplicidade do projeto, que une forma e funcionalidade, é brilhante e não há nada igual no país. As estações foram concebidas com base no estudo preliminar do escritório Ado Azevedo Design. Destaca-se aqui a estação junto ao Aeroporto, cujo design é belíssimo; o teto possui ondulações que remetem às curvas existentes na via.

Arquiteto: OSPA Arquitetura e Urbanismo
Arquitetos Coordenadores:
Metragem: 808.0 m²
Inauguração: 2013
Localização: Aeroporto Internacional Salgado Filho

Confira o projeto completo no ArchDaily

Pavilhão dos Produtores – CEASA

Foto: Ramiro Furquim

Para apreciar um pouco da arquitetura clássica, o Pavilhão dos Produtores da CEASA é um prédio que você precisa conhecer. Com 280 metros de comprimento por 45 metros de largura, essa é a maior e principal edificação do conjunto.

O que destaca a construção são as abóbadas de tijolo armado com dupla curvatura, intercaladas por aberturas de iluminação. A dupla curvatura mede, em planta, 7 metros e a altura máxima mede 14 metros. No interior da obra, as ondulações das abóbadas são destacadas pela iluminação natural. As 41 abóbadas são idênticas, com exceção das que marcam as entradas do prédio – sendo formalmente diferenciadas, com altura do arco de 6,5 metros.

Cada abóbada é apoiada em um pilar perimetral. Nas fachadas laterais, está um corredor elevado que se entende por todo o comprimento da estrutura e é protegido por uma laje de concreto aparente ligeiramente inclinado.

Arquiteto: Carlos Maximiliano Fayet, Cláudio Luiz Araújo e Carlos Eduardo Comas
Inauguração: 1970
Localização: Av. Fernando Ferrari, 1001

Confira o projeto completo no ArchDaily

Já conhece os prédios da nossa lista? Conte-nos quais são as suas obras favoritas da arquitetura porto-alegrense!

Voltar
Vamos conversar?
Entre em contato conosco através do formulário abaixo ou pelo e-mail. Responderemos o mais breve possível.

quero que entrem em contato comigo através do whatsapp